Acenando a Parusia

Gosto de olhar o azul do céu,
Gosto de ver as aves cantando,
Sinto a paz voando no espaço,
Ao lado das nuvens, em bando, voando!

Sei que existem céus ainda mais belos,
Sei que prados mais verdes ainda existem,
Que jardins vão brotar nos desertos,
Que as fontes de amor não vão secar!

Vejo os campos, as montanhas, os vales,
Vejo os rios correndo para o mar,
As florestas de verde vestidas
Para a festa da natureza em festa!

Ergo os olhos, e milhões de estrelas
Já me olhavam, piscando os olhos,
Vejo a Lua, surgindo entre as árvores,
Disfarçando seu ciúme das estrelas!

Eis a Terra, com milhões de insetos,
Com seus répteis e feras também,
Todos têm sua bela melodia,
Todos juntos formam um coro sem igual!...

Só os homens não vivem em harmonia,
Só os passos humanos não têm cadência,
Mas eu sei, Senhor, que vais reunir um dia

 

A HUMANIDADE NUM SÓ CORO DE IRMÃOS!


acenando-a-parusia.JPG


João de Araújo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Este site é um pequeno serviço à formação litúrgica de comunidades cristãs.
Seu autor pode esclarecer pequenas dúvidas sobre a Liturgia.
Sinta-se à vontade para entrar em Contato.
João de Araújo - Acenando a Parusia