Liturgia do Tríduo Pascal - Resumo

1 – O Tríduo Pascal da Morte e Ressurreição do Senhor é o ponto mais alto da Liturgia. Ele é como um sol que irradia a santidade de Deus, envolvendo todos nós na mesma santidade divina. Derrama para todo o Ano Litúrgico as graças do Mistério Pascal de Cristo.


2 – Começa na Quinta-feira Santa, na missa da noite, tem o seu centro vital na Vigília Pascal do Sábado Santo e termina na última missa do domingo da Páscoa. Não é tríduo preparatório para o Domingo da Páscoa, mas tríduo celebrativo do Mistério Pascal, em três momentos. Vejamos:


QUINTA-FEIRA SANTA


3 – Nesse dia se comemora: a) – A instituição da Eucaristia, como sinal profético do evento da Cruz - b) – A instituição do sacerdócio ordenado e c) – O mandamento novo do amor, simbolizado no rito do Lava-pés. A antífona de entrada vai dizer: “A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo deve ser a nossa glória: nele está nossa vida e ressurreição; foi ele que nos salvou e libertou” (cf. Gl 6,14). A antífona portanto nos inicia na compreensão da dupla característica de todo o Tríduo Pascal: a cruz e a glória, ou morte e ressurreição. Aqui já é possível afirmar que não se pode compreender uma cristologia da glória sem a relação teológica com a cristologia da cruz, e vice-versa. A nossa fé une na verdade uma à outra, tornando-as inseparáveis.


4 - Na Liturgia da Quinta-Feira Santa, canta-se o Glória, mas não se canta o Aleluia, omitidos durante toda a Quaresma. Em lugar do Aleluia, canta-se “o novo mandamento”, de Jo 13,34. Após o Glória, o Missal prevê o silêncio do Órgão até o Glória do Sábado Santo. Também não se recita o “Creio”, voltando este na Liturgia Batismal da Vigília Pascal, como “reserva litúrgica”, assim como o Aleluia. Depois da homilia, realiza-se o rito do Lava-pés, e em lugar dos ritos finais faz-se a transladação do Santíssimo para uma capela. Desnuda-se também o altar, pois a Igreja já se encontra no clima da Paixão e do despojamento.

 

5 – EUCARISTIA: Sua celebração está unida ao sacrifício da Cruz e nos torna unidos a ele com toda a sua força salvífica. Em cada Eucaristia que celebramos, Cristo continua a lavar-nos os pés, convidando-nos a fazer o que ele fez. No Cenáculo, ele quis que, pelo sacerdócio ordenado, pudéssemos celebrar com ele até o fim dos tempos o mistério da Cruz, isto é, a sua eterna oferenda ao Pai pela salvação de todos. Então Sacerdócio, Eucaristia e Lava-pés formam o tripé de toda a vida cristã. O Lava-pés pode ser considerado como o ícone do amor da Igreja.

 

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO

 

6 - Nesse dia não se celebra a Eucaristia, mas uma Solene Ação Litúrgica, em três momentos: Liturgia da Palavra - Adoração da Cruz e Comunhão.

 

7 - Caracteriza-se a Liturgia da Sexta-Feira da Paixão pelo despojamento, a exemplo de Cristo. É a liturgia do silêncio. Não há canto de entrada, mas procissão silenciosa e prostração do sacerdote. Ministros e assembleia são convidados também a ajoelhar-se. O sacerdote não saúda o altar nem o povo, tanto no início como no fim, como também não diz o “Oremos”, próprio das orações presidenciais. A Liturgia da Palavra fala do Servo Padecente (Is 52,13-53,12); do sacerdócio único de Cristo (Hb 4,14-16; 5,7-9); e a narrativa da paixão é do evangelho de João, onde Cristo se revela soberano, entregando a sua vida ao Pai por todos nós, e o fazendo livremente. Como no domingo de Ramos, na leitura da Paixão não se usa incenso nem velas. Omitem-se a saudação ao povo e o sinal da cruz sobre o livro. No fim, diz-se “Palavra da salvação”, mas não se beija o livro.

 

8 - Saibamos no entanto que, mesmo em clima de viva paixão, nesta Liturgia a cruz não é de “dolorismo”, mas cruz triunfante, madeiro sagrado, tanto é verdade que é adorada pelos fiéis. A cruz é o instrumento de nossa salvação, o contrário da árvore do Gênesis, que foi o madeiro de nossa perdição. Por isso, na celebração não são cantados somente os impropérios (Lamentos do Senhor), mas também cantos de exaltação da cruz. No terceiro momento, a comunhão eucarística nos leva à memória (anamnese) da celebração do dia anterior, com hóstias pré-consagradas. Uma orientação: nos dias do Tríduo Pascal os fiéis só podem comungar nas celebrações. Aos doentes, é permitido levar a Comunhão na Quinta-Feira e na Sexta-Feira, exceto no Sábado Santo, a não ser como viático.

 

VIGÍLIA PASCAL DO SÁBADO SANTO

 

9 - A Vigília Pascal é o centro de todo o Tríduo Pascal. É a mãe de todas as santas vigílias, nas palavras de Santo Agostinho. Daí ser a celebração mais importante da Igreja. Compõe-se de quatro momentos: a) - Liturgia da Luz e do Fogo - Liturgia da Palavra c) - Liturgia Batismal e d) - Liturgia Eucarística.


Liturgia do fogo e da luz:

 

10 - O Círio Pascal é preparado em bonita liturgia, onde são enfatizados títulos cristológicos de nosso Salvador, como: “Cristo, ontem e hoje”, “Princípio e fim”, “Alfa e Ômega”, ou “A e Z”. Inserindo no Círio o ano calendário, como que impregnando-o da salvação de Cristo, a Liturgia vai dizer: “A ele o tempo (1º número), e a eternidade (2º número), a glória e o poder (3º número), pelos séculos sem fim (4º número). Em seguida vem a gravação no Círio, em forma de cruz, das cinco chagas de Cristo, com as palavras: “Por suas santas chagas (1), suas chagas dolorosas (2), o Cristo nosso Senhor (3) nos proteja (4) e nos guarde. Amém. (5). Em seguida o Círio é aceso e elevado com as palavras: “A luz do Cristo que ressuscita resplandecente dissipe as trevas de nosso coração e de nossa mente”. Agora, com o tríplice “Eis a luz de Cristo”, o Círio entra na igreja, a qual, até então apagada, se acende, como também nele os fiéis acendem suas velas. Colocado no recipiente próprio, perto do ambão, é incensado, seguindo-se o canto do Exultet, findo o qual os fiéis apagam suas velas, dando início à Liturgia da Palavra. Lembremo-nos de que o Círio é o símbolo litúrgico mais importante de todo o Tempo Pascal.

 

11 - No movimento para a igreja, quando o rito é feito noutro local, convém que apenas o Círio Pascal guie a procissão, dispensando-se então a cruz processional e as tochas.  A explicação é simples: a Cruz e o Círio não são apenas “símbolos litúrgicos”, mas “sinais cristológicos”, e na Liturgia deve-se evitar a duplicidade do mesmo sinal. Quanto às tochas, estas não podem obscurecer a luz do Círio, como que querendo completá-la. Atente-se ainda para a lógica do rito: os fiéis é que acompanham o Círio, na lembrança feliz de Jo 8,12, onde Jesus diz: "Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não caminha nas trevas, mas terá a luz da vida". 

Liturgia da palavra:


12 – Constitui-se de uma série de nove leituras, sendo sete do AT e duas do NT, podendo as do AT ser reduzidas a três, mas a terceira, sobre a passagem do Mar Vermelho, não pode ser omitida. Cada leitura é seguida de um salmo e de uma oração sálmica. A série de leituras revela a história da salvação, culminando com a Epístola aos Romanos, onde se afirma o valor do Batismo, pois, por ele, somos inseridos no mistério da morte e da ressurreição do Senhor. Depois da última oração sálmica, canta-se o Glória e reza-se a Oração do dia. Um detalhe: diferente de como acontece na missa, o Glória é cantado no fim das leituras do AT, como transição das promessas para a realidade. Aqui ele é visto como um salmo cristão, bendizente e de louvor. Notemos ainda que, a partir deste momento, cessam na Liturgia as leituras do AT até Pentecostes inclusive. É que a Igreja se vê mergulhada na pura realização cristã da história salvífica. Continuando, pois, a celebração, vem a Epístola aos Romanos e canta-se o Salmo aleluiático (118[117]), seguindo-se a proclamação do evangelho da ressurreição, segundo o evangelista do ano (Mt, Mc e Lc).


Liturgia batismal:

 

13 - É o momento mais importante para a celebração do Batismo, principalmente de adultos. Também o povo faz nesse momento a renovação das promessas batismais. Se não houver Batismo nem bênção de água batismal, não se canta a Ladainha de Todos os Santos. Nesse caso, o sacerdote apenas benze á água para aspersão do fiéis, com a qual se encerra a Liturgia Batismal.


Liturgia eucarística:

14 - Começa já nas preces dos fiéis, pois a Liturgia da Palavra já foi celebrada antes. Caracteriza-se pela alegria e pelo tom pascal, que vai depois ressoar até Pentecostes.

João de Araújo

 

 

 

?!-- Start Footer Area --> João de Araújo - Liturgia do Tríduo Pascal - Resumo