A Assembleia Litúrgica

 

PEQUENA DEFINIÇÃO

 

1 - A assembleia litúrgica não é um grupo qualquer de pessoas reunidas para um determinado objetivo. Ela é o povo de Deus, “uma comunidade de fiéis, hierarquicamente constituída, legitimamente reunida em certo lugar para uma ação litúrgica e altamente qualificada por uma particular e salutar presença de Cristo”.

 

2 - Por tudo aquilo que dela afirma a Igreja, podemos concluir que a assembléia litúrgica é um “autêntico sacramento de salvação”, ligada como está à própria liturgia, à Igreja e a Cristo. Portanto, povo de Deus que, na riqueza de sua diversidade, celebra o memorial da morte e ressurreição do Senhor. Na prática, às vezes, não aparece este rosto da assembléia cristã, pouco presente também na catequese litúrgica, o que favorece geralmente uma visão míope do povo celebrante.

 

3 - A liturgia, para suscitar atitudes de oração e integração da assembléia, dá início à celebração eucarística com o canto de entrada, tendo este, pois, não só a finalidade de abrir a celebração, mas sobretudo de criar o clima de assembléia orante, introduzindo-a no mistério do tempo litúrgico ou da festa (cf. IGMR n. 47).

 

A MOTIVAÇÃO MAIS NOBRE DA ASSEMBLEIA LITÚRGICA

 

4 - Podemos dizer que o que deve motivar a assembléia litúrgica é, sem dúvida, a dinâmica do amor cristão, pela escuta da Palavra de Deus e pela participação na mesa eucarística, de onde brota a verdadeira comunhão, espelho de partilha das vidas que se doam. Não nos esqueçamos de que a Eucaristia é o “sacramento dos sacramentos” e, na sua riqueza salvífica, tem dupla mesa: a da palavra, onde Cristo se faz primeiramente “palavra de salvação”, e a do pão, onde se faz “alimento para a vida eterna”.

 

5 - A reunião da assembléia cristã que, por si mesma, já conta com a presença de Cristo (cf. Mt 18,20) é, pois, de sentido festivo, convivial, fraterno e solidário. Na sua significação mais profunda, tem também dupla dimensão, que é simultânea: vertical, no louvor e glorificação de Deus, e horizontal, no serviço de santificação dos homens (cf. SC 7b).

 

6 - Vê-se, pois, que a reunião da assembléia litúrgica deve ser de sentido objetivo, comunitário e eclesial, não portanto subjetivo e personalista, embora se entende que o cristão, na liturgia, não perde a sua individualidade, as suas marcas pessoais e subjetivas, estas, aliás, devem ser postas a serviço do ato celebrativo, pois na liturgia o “eu”, psicológico e individual, integra-se ao “nós”, comunitário e litúrgico, não apenas em sentido físico, espacial, mas espiritual e místico.

 

7 - Deve-se portanto garantir a dimensão orante e ao mesmo tempo comunitária, pascal e festiva de nossas celebrações, evitando, ao mesmo tempo, o sentido intimista, subjetivo e alienante que ainda se vê em muitas delas. A liturgia, e particularmente a Eucaristia, é para realizar em nós o projeto amoroso de Deus: sermos a Igreja, o corpo místico e escatológico de Cristo, cujos membros, vistos e identificados nos ensinamentos de São Paulo (cf. Ef 4,4-6, 1Cor 10,17; 12,12; Gl 3,28, Cl 3,11), podemos dizer que são os verdadeiros adoradores do Pai, em espírito e verdade, como revelou Cristo à samaritana (cf. Jo 4,23).

 

DIMENSÕES DA ASSEMBLEIA LITÚRGICA

 

a) - Dimensão rememorativa

 

- No Antigo Testamento, Deus retirou o seu povo do Egito (cf. Ex 19,1), libertando-o das garras do faraó e fazendo-o peregrinar pelo deserto, rumo à terra prometida. Por Moisés (cf. Ex 19-24), convoca-o para a grande assembléia do Sinai, e esta, como as demais assembléias do Antigo Testamento, soam como prefigurações ou tipos da grande assembléia no Novo Testamento, a Igreja reunida, que, pela liturgia cristã, concretiza hoje então, de maneira sacramental, o desígnio de Deus sobre o seu povo eleito (cf. Ef 1,3-14).

 

9 - A assembléia litúrgica cristã, sujeito principal do ato celebrativo, unida ao Senhor, presente nela já desde o início (cf. Mt 18,20; SC 7), lembra-nos então, em felizes reminiscências bíblicas, as reuniões do povo de Israel, disperso e peregrino, reuniões que aconteciam por iniciativa de Deus, seja através de Moisés, como a do Sinai (cf. Ex 24), seja através de Josué, na de Siquém (cf. Js 24,1-28).

 

10 - Hoje também, quando nos reunimos, reconhecemos ser de Deus a iniciativa, por isso confessamos já no início da celebração eucarística, quando saudados pelo presidente, na linha trinitária: “Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo”. Como no passado, o povo, disperso, se reunia num mesmo lugar, hoje também, dispersos como estamos pelos condicionamentos da vida, nos reunimos num mesmo lugar, isto é, na igreja, para ouvirmos a voz de Deus e celebrarmos a Eucaristia.

 

b) - Dimensão epifânica, ou seja, de manifestação da Igreja

 

11 - A liturgia é a mais plena manifestação da Igreja (cf. SC 41b), ou seja, a sua epifania, pois “ela mostra a Igreja aos que estão fora como estandarte erguido diante das nações” (cf. SC 2, citando Is 11,12). Assim, a celebração litúrgica, em especial a da Eucaristia, deve ser colocada na catequese e na teologia como o ponto mais alto de manifestação da Igreja. Isto quer dizer que a Igreja se revela ao mundo não tanto pelas suas instituições, mesmo tão necessárias, ou pelos seus movimentos e suas obras caritativas, frutos de sua fé, mas pelo sinal sacramental de suas celebrações litúrgicas, centradas como estão no Mistério Pascal de Cristo, cerne de toda a vida cristã.

 

12 - Saibamos, pois, que é pela liturgia, especialmente pela Eucaristia, que “se exerce a obra de nossa redenção” (cf. SC 2), como também é pela Eucaristia que a Igreja se constrói, realizando-se como povo santo e sacramento universal de salvação (cf. LG 48), sinal então de viva esperança para o mundo.

 

c) - Dimensão escatológica

 

13 - Profundamente significativa para a assembléia litúrgica é a sua dimensão escatológica, pois o povo cristão, reunido no louvor litúrgico, é “a imagem antecipada da igreja do céu, percebida na obscuridade da fé”. Portanto, a assembléia litúrgica não é apenas um sinal demonstrativo da Igreja terrena, em sua situação atual, muitas vezes cheia de imperfeições e necessitada de purificações, mas também o sinal profético do que será a Igreja no fim dos tempos, na glória definitiva do Senhor. Essa dimensão tão significativa está a pedir-nos mais empenho no tocante às nossas celebrações, para que elas reflitam, desde já, mesmo com as limitações humanas, uma imagem mais viva da glória futura.

 

AS “NOTAS” DA IGREJA, PRESENTES NA ASSEMBLEIA LITÚRGICA

 

14 - Como já se falou antes, a Igreja se manifesta ao mundo pelas suas celebrações, ou seja, pela eficácia sacramental da liturgia. Assim, as “notas” da Igreja, isto é, as suas marcas e características de povo do Senhor, devem estar vivas na liturgia. De outra maneira, a celebração litúrgica seria uma manifestação parcial, imperfeita, e até mesmo irreal, redutível a um encontro comum, como os da esfera do mundo, que não geram necessariamente vidas de comunhão verdadeira, esta como sinal luminoso do Reino de Deus. Vejamos então como as quatro notas da Igreja (una, santa, católica e apostólica) devem fazer-se presentes em nossas celebrações:

 

a) - Assembléia una, um povo reconciliado

 

15 - A primeira nota que se verifica na liturgia é que ela deve manifestar a festa de um povo reconciliado, um povo redimido pelo Senhor, que com ele, por ele e nele celebra a páscoa definitiva e eterna. Dizemos então que a assembléia reconciliada celebra o mistério de Cristo em sua vida e a sua vida no mistério de Cristo (cf. Doc. 43 n. 205). Daí sua importância litúrgica, que aponta para a necessária consciência que deve ter de si mesma a assembléia celebrante, uma assembléia una na diversidade de seus membros e na diversidade de seus ministérios, estes liturgicamente eclesiais. O caráter de unidade da Igreja (um só batismo, um só Senhor, um só Deus e nosso Pai, uma só fé etc., cf. Ef 4,4-6)) deve exprimir o louvor desse povo único, que Deus quis fazer seu e uní-lo a Cristo, tornando os cristãos, membros desse povo, filhos no Filho.

 

16 - Pastoralmente falando, isto é, em termos práticos e de vivência litúrgica, devemos fazer com que nossas assembléias litúrgicas estejam bem afinadas com o espírito do Evangelho, acolhendo a todos, sem exclusões de qualquer tipo, onde todos tenham voz e se sintam como membros vivos do corpo eclesial. A Igreja que celebra é a Igreja de todos, onde Cristo se faz presente, a todos trazendo a reconciliação, que os faz verdadeiramente irmãos. Disse muito sabiamente São João Crisóstomo: “A Igreja foi feita, não para separar aqueles a quem reúne, mas para unir e juntar os que se acham separados. É isso que a assembléia significa”.

 

b) - Assembléia santa, uma Igreja de santos, com necessidades de purificação

 

17 - Embora ainda no mundo e sujeita às investidas do mal, muitas vezes nele seus membros caindo, a Igreja é santa, porque é o Corpo Místico de Cristo, sua esposa dileta. O pecado, que muitas vezes a deforma, já foi de fato vencido pela Salvador. A Igreja que celebra já é, pois, uma Igreja vitoriosa, pascal, vista agora numa tríplice dimensão: peregrina, padecente e triunfante. Na liturgia, essas três dimensões se encontram em verdadeira comunhão.

18 - É a liturgia terrestre unida misteriosamente à liturgia celeste. A santidade da Igreja, que deve manifestar-se na liturgia, não a exime de ser uma “assembléia penitente”, antes supõe também esse dado. O ato penitencial na missa tem essa finalidade objetiva, que não deve ser, porém, um momento de ênfase do pecado, com suas enumerações, mas momento de confiança e de confissão da misericórdia do Senhor. A assembléia litúrgica deve sentir-se diante do trono da graça de nosso Deus (cf. Hb 4,16), e não de seu tribunal.

 

19 - Esse dinamismo de santidade, que é próprio da graça de Deus e que chega ao coração da Igreja pela ação do Espírito Santo, com seus carismas, exige que todos participem da liturgia de maneira ativa, plena, viva e consciente. Ouvindo a Palavra de Deus e participando do Pão da vida, a assembléia se manifesta como Igreja do Senhor, fortemente alimentada pelo desejo de viver a plenitude da vida cristã, na prática da justiça, da misericórdia, do perdão e do amor. A santidade da assembléia vai concretizar-se então pela fidelidade ao Espírito Santo, força sempre atuante de Deus, alento que nela produz a marca orante e característica de povo que celebra na unidade.

 

c) - Assembléia aberta e católica, uma assembléia da diversidade na unidade

 

20 - O caráter de catolicidade da Igreja, isto é, de sua universalidade, não deve ser visto apenas no aspecto geográfico, como muitas vezes entendido, mas em seu verdadeiro sentido: Igreja de todos (povos, raças, etnias), em suas diversidades biológicas (homens, mulheres, crianças e jovens), na diversidade também de suas funções e marcas antropológicas (ricos, pobres, doentes, operários, cientistas etc.).

21 - Assim, uma assembléia litúrgica, para manifestar essa catolicidade da Igreja, deve ser plural, heterogênea, de ampla abertura para todos, um sinal da universalidade do amor do Pai. De outra maneira não poderia constituir a epifania da Igreja, ou seja, a sua manifestação mais plena. Uma celebração, p. ex., só de jovens não expressa, de maneira desejável, a catolicidade da Igreja, porque, vendo-a, estaríamos vendo apenas um lado, uma parte do corpo, um ângulo da Igreja.
Tal celebração perderia, pois, muito de sua força simbólica, que é fundamental em nossas celebrações. Nesse sentido, podemos dizer que não é louvável em nossos dias, dada a compreensão mais rica do Concílio Vaticano II, o incentivo a páscoas coletivas por exemplo, como no passado (páscoa dos operários, dos militares etc.).

 

22 - Sabemos que a assembléia litúrgica não deve reduzir-se a uma minoria de elite, “panelinha”, como muitos dizem, seja essa de tipo cultural ou mesmo espiritual. Em muitas celebrações, às vezes isso se torna muito visível. Congregar pessoas diferentes, de todas as idades, de ambos os sexos, de culturas e classes sociais distintas, sempre será um bem para a Igreja, “pois a Igreja é esse novo povo de Deus que reúne os homens por sobre aquilo que os separa, vencendo já agora, mesmo de modo inicial e imperfeito, o pecado da divisão, do desamor”.

23 - A Igreja é o lugar teológico em que Deus por Cristo reconcilia todos os homens, suprimindo toda barreira e eliminando toda desigualdade e todo ódio (cf. Ef 2,11-14), e “a assembléia litúrgica deve ser então o espaço concreto, o sinal sacramental dessa realidade teológica da Igreja”, onde judeus e pagãos, gregos e bárbaros, escravos e livres, enfim onde homens e mulheres, de todos as raças, tribos, culturas e situações, se encontrem num mesmo corpo eclesial (cf. Rm 10,1; Gl 3,28; Ef 2,19; Cl 3,11; Ap 5,9).

 

d) - Assembléia apostólica, uma assembléia com a marca das origens

 

24 - O ponto gravitacional mais importante dessa marca da liturgia, associada como está à Igreja, é a confissão da fé em Jesus Cristo, que se faz nela presente pelo seu Espírito. A comunidade cristã então se torna verdadeiramente santa, e os rostos dos irmãos, que nela cantam e louvam, são rostos de Cristo, no seu eterno louvor ao Pai. Tal assembléia orante faz presente vivamente a Igreja, a mesma Igreja, que, desde o início, mostra-se fiel ao ensinamento dos apóstolos, à oração, à fração do pão e à comunhão fraterna (cf. At 2,42). Apostólica verdadeiramente, pois está edificada sobre o fundamento dos apóstolos, do qual Cristo Jesus é a pedra angular (cf. Ef 2,20).

 

25 - Como nos ensina o Concílio Vaticano (cf. SC 6), a partir de Pentecostes, e seguindo então a linha apostólica, nunca a Igreja deixou de celebrar a Eucaristia. Aqui vemos que, mesmo com as mudanças ocorridas na história, necessárias à nova compreensão dos tempos, a liturgia que celebramos é a mesma liturgia das origens, na riqueza do Mistério Pascal de Cristo, com sua marca notoriamente apostólica. O sinal profético do Cenáculo, isto é, a última ceia do Senhor com os seus discípulos, na véspera de sua Paixão (cf. Mt 26,26-28; Mc 14,22-24; Lc 22,19-20; 1Cor 11,23-26), é ritualizado em nossas eucaristias, como o memorial do Senhor.

26 - Na ausência, porém, de uma fé real, ou seja, de uma fé que não se identifica com a eclesialidade do povo de Deus, vir à reunião da assembléia litúrgica poderá ser visto como mero conformismo sociológico, que não gera conversão. Quem assim procede não se compromete, não entra no jogo de Cristo, pode até torcer por ele e encantar-se com suas jogadas, mas não entende que o importante é jogar com ele, com ele vencer, com ele morrer, para, com ele, ressuscitar. Às vezes - é preciso pensar - o que contribui para tal estado de passividade, de inércia e de indiferença é a mesmice de nossas celebrações, onde nossas assembléias litúrgicas parecem - elas mesmas - não se encantar com o mistério que celebram.

 

CONCLUSÃO

 

27 - Na reflexão deste pequeno trabalho, vimos, mesmo com limitações, a importância da assembléia litúrgica, sua santidade e seu valor expressivamente simbólico. Seria desejável então que todos aqueles que exercem um ministério na liturgia se sentissem chamados a aprofundar o mistério litúrgico, alargando também depois, com seu próprio testemunho, os horizontes de participação da assembléia , não só reconhecendo e respeitando o que lhe é próprio (aclamações, respostas, antífonas, cantos, bem como ações e gestos, ainda o silêncio nos momentos próprios, como diz a SC nos n°s. 14 e 30), mas até favorecendo a ela, mediante orientações catequéticas, a compreensão de si mesma, como assembléia também ministerial e de povo de Deus reunido.

 

28 - Para uma participação também mais ativa da assembléia, seria desejável que ela fosse orientada sobre a sua escuta na Liturgia, escuta que deve ser atenta, tanto da palavra de Deus como das orações presidenciais, dentre estas em especial a Oração Eucarística, e aqui com a atenção para o Amém conclusivo e ratificante da oração, rezada em nome da Igreja pelo presidente. Falamos de escuta receptiva, na Liturgia da Palavra, pois é Deus que, em comunicação descendente, fala ao povo, através do leitor e do diácono, (na ausência deste, pelo presbítero ou bispo); e escuta ativa, nas orações presidenciais, pois é a Igreja que fala, em comunicação então ascendente, dirigida a Deus, pela voz do sacerdote.

 

29 - Finalmente, é preciso verificar se a participação da assembléia não está sendo abafada ou empobrecida por equipes ou membros que, em algumas comunidades, lamentavelmente, muito gostam de “aparecer” na celebração. Lembremo-nos de que todo fiel, como batizado e membro vivo da Igreja, tem não só o direito, mas o dever de participar da liturgia (cf. SC 14a), a qual, sendo “ação de Cristo e do Povo de Deus hierarquicamente organizado”, na diversidade de ministérios (doc. 43, nº 212), nos faz cada vez mais fortes na caminhada para a casa do Pai, mais solidários nos passos da vida e mais praticantes do amor, da justiça e da verdade.

 

BIBLIOGRAFIA

- A Celebração na Igreja (Vol. I - Diversos autores – Loyola)

- Missal Romano

- Dicionário de Liturgia (Diversos autores - Ed. Paulus)

- Concílio Vaticano II (SC e LG)

- CNBB - Doc. 43)

João de Araújo

 

 

 

?!-- Start Footer Area --> João de Araújo - A Assembleia Litúrgica