Os salmos na liturgia

 

1 - Chama-se Saltério o conjunto dos salmos de que a Igreja se serve para as suas celebrações, sobretudo na Liturgia das Horas e na Missa. A Igreja faz do Saltério as entranhas da liturgia e do ofício divino, e, assim, a linha sálmica sempre foi considerada fundamento da oração cristã, consciência que se desenvolveu mais ainda com a reforma litúrgica do Concílio Vaticano II. Nos salmos se encontram todas as vicissitudes da vida, desde os brados de angústia, de aflição, de fracassos e de prantos, até os felizes hinos de glória, de exultação, de vitória, de reconhecimento, como também de admiração e de contemplação das maravilhas de Deus.

 

2 - Como já foi observado, os israelitas nasciam com o salmo nas entranhas e no coração. Daí, seu espírito profundamente religioso e sua intimidade nas relações com Deus ("Eu te celebro por tanto prodígio, e me maravilho com as tuas maravilhas" (Sl 139(138),14).

 

SENTIDO CRISTOLÓGICO DOS SALMOS

 

3 - A liturgia, em sentido orante e pedagógico, tendo como centro o Mistério Pascal de Cristo, emprega o salmo, sempre, em dimensão cristológica. Vê-se, pois, que o Saltério é um livro profético e messiânico, na direção de Cristo e que se gravita em torno dele.

 

4 - O fundo cristológico dos salmos segue uma dupla direção. A mais frequente é a chamada cristologização de "baixo para cima", ou ascendente. Aqui, na voz do autor sálmico, percebe-se a voz de Cristo dirigida ao Pai ("vox Christi ad patrem"). No homem perseguido, caluniado e aflito, a liturgia como que ouve o Cristo padecente, o Servo de Javé, em sua situação de kénosis, ou seja, de humilhação e de despojamento. É o caso, por exemplo, do salmo 21(22).

 

5 - Já a outra linha segue uma direção descendente. É a cristologização de "cima para baixo". Cristo já não é, aqui, considerado embaixo, na kénosis, mas em cima, em sua glorificação. A voz então que se ouve no salmo é a da Igreja, ou do fiel, que se dirige a Cristo ("vox ecclesiae ad Christum"). Cristo é, então, não sujeito, mas destinatário, objeto do salmo. Santo Agostinho, unindo as duas perspectivas, diz: "Psalmus vox totius Christi capitis et corporis", isto é, o salmo é a voz do Cristo Total, Cabeça e Corpo.

 

OS SALMOS NA LITURGIA

 

6 - O salmo, na missa, faz parte integrante da liturgia da palavra, não podendo por isso ser omitido. É prolongamento da palavra bíblica, em sentido lírico-meditativo, tendo portanto o mesmo valor da palavra de Deus. É também canto de repouso e de meditação. No exercício de seu ministério, o salmista deve, pois, cultivar a espiritualidade sálmica, revelando familiaridade com a dimensão orante do salmo e como que encontrando nele a sua própria voz e seu próprio sentimento.

 

7 - Na liturgia, o salmo tem os nomes de "Responsorial", de "Salmo", simplesmente, e também de "Cântico Bíblico". Este último, não sálmico, como é o caso do cântico de Moisés (Ex 15) e do cântico de Isaías (Is 12), usados na Vigília Pascal do Sábado Santo, como exemplo. Mas há ainda outros cânticos bíblicos, não sálmicos, e que na liturgia entram também como textos de salmodia.

 

8 - Chamava-se também o salmo, antes do Concílio Vaticano II, "Gradual" e "Trato" (Tractus). "Gradual", do latim gradualis, significa degrau, porque o salmista cantava o salmo no degrau abaixo de onde o leitor proclamava a primeira leitura. E "Trato" (do latim tractus = forma direta), porque se cantava sem antífona, na liturgia da Quaresma, em lugar do Aleluia.

 

9 - Na Liturgia das Horas, o salmo, além da antífona, no início e no fim, encerra-se também com o "Glória ao Pai..." , que confere aos escritos do Antigo Testamento um caráter trinitário. Já as leituras (bíblicas, patrísticas, hagiográficas e espirituais), são seguidas de um responsório, não somente sálmico, mas também com texto dos profetas, dos livros sapienciais, do evangelho, das epístolas e do Apocalipse, notando-se que, às vezes, num mesmo responsório, vamos encontrar passagens bíblicas paralelas, compiladas em unidade bíblica, ou então simplesmente como fontes de inspiração.

 

SALMODIA - MANEIRAS DE CANTAR, RECITAR OU REZAR OS SALMOS

 

10 - Nas diversas maneiras de salmodiar, leve-se em conta, sempre, o caráter musical dos salmos. Estes, como ensina a Instrução da Liturgia das Horas, "não são leituras nem orações compostas em prosa; são poemas de louvor" (IGLH 103).

 

Diversas, pois, são as maneiras de salmodiar: a forma direta, a responsorial, a antifonal, a coral e a interiorizada.

 

a) Forma direta:

 

É aquela em que não se intercala antífona, como no caso do Tractus.

 

b) Responsorial:

 

Esta forma é de origem judaica, com a resposta da assembleia, como se usa sempre na missa. O salmista canta ou recita, no início, a antífona, com a qual o povo responde, na mesma tonalidade. Depois, o salmista prossegue cantando ou recitando as estrofes, intercaladas com a antífona, aqui repetida somente pela assembleia.

 

c) Antifonal ou alternada:

 

Já esta forma é de origem monástica. Consiste na inserção, entre as estrofes, de uma antífona, em dois coros.

 

d) Coral:

 

Consiste esta modalidade em cantar ou recitar o salmo, alternadamente, pelo coro, em duas partes: uma de pé, e outra assentada, alternando-se também a postura corporal.

 

e) Interiorizada:

 

Esta maneira de salmodiar é um costume antigo. Favorece a dimensão contemplativa do salmo. Durante a execução da salmodia, costuma-se ficar assentados, e, depois do salmo, todos se ajoelham, ou prostram-se por terra, invocando cada um dos participantes por si mesmo a misericórdia divina, no mais profundo silêncio.

 

11 - Nas diversas formas indicadas - diga-se - é preciso atender ao gênero literário do salmo, ou seja, suas qualidades literárias e históricas, como também sua musicalidade. Na liturgia, propõe-se que o salmo seja sempre cantado. Na impossibilidade do canto, seja então recitado, dada a sua qualidade poética, e não simplesmente lido, como tantas vezes acontece. As antífonas e os títulos servem para favorecer a tonalidade peculiar e a hermenêutica tipológica e festiva dos salmos.

João de Araújo

 

 

 

?!-- Start Footer Area --> João de Araújo - Os salmos na liturgia